segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Greve do HU acaba depois de um mês

Após 31 dias de paralisação, os trabalhadores do HU decidiram por fim a greve na manhã desta sexta-feira, 17 de outubro. A decisão foi tomada durante assembleia no pátio do hospital com a efetiva participação da categoria. A garantia do pagamento dos plantões por parte do Ministério da Educação foi o motivo para decretar o fim do movimento paredista, que decidiu também voltar ao trabalho em 72 horas.

Apesar de nesse primeiro momento a proposta contemplar mais de 90% da categoria, o Comando Local de Greve avaliou que as condições apresentadas foram razoáveis e decidiu leva-las à apreciação da categoria. Os trabalhadores, por sua vez, discutiram em assembleia e decidiram voltar para escala normal de trabalho a partir da manhã desta terça-feira (21). Os plantões trabalhados de janeiro a março deste ano serão pagos e os valores já estão divulgados na prévia da folha de salário do mês de outubro. O pagamento integral para todos os trabalhadores não foi possível em função de entraves jurídicos e burocráticos.





Governo resolveu impasse em dois dias

A intervenção política do deputado eleito Dagoberto Nogueira (PDT) e de Maika Amaral, esposa do senador Delcídio do Amaral (PT) foram determinante na abertura de uma audiência com a Ministra Ideli Salvatti, de Relações Institucionais da Presidência da República, que esteve em Campo Grande.

A Ministra recebeu todo o movimento. Questionou se esta demanda já decorria de uma análise prévia do Ministério, o que foi confirmado, questionou se tínhamos o apoio da Reitora, o que confirmamos que sim. Feito os esclarecimentos destas perguntas, ela se comprometeu em fazer contato com o Ministro para solicitar uma atenção e uma resolução. Disse assim a Ministra: “Vocês querem que a Reitora de uma posição de quando o pagamento será efetuado, não é isso?”, nós respondemos que sim e esperávamos que fosse o mais breve possível.  Por fim, a Ministra se comprometeu em fazer contato com Ministros e Secretários para uma resolução do impasse.

Além de Maika e Dagoberto, o encontro dos trabalhadores do HU com a ministra teve ainda a presença do deputado federal reeleito, Vander Loubet e do estadual Amarildo Cruz, ambos do PT. Na oportunidade, Vander se comprometeu em intervir junto à presidência da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), caso o pagamento dos plantões trabalhados não fosse solucionado com ação política da ministra Ideli.






Empenho da Administração

A união dos trabalhadores foi fundamental para a vitória do movimento paredista, mas, aliado a mobilização da categoria, se faz necessário também destacar o empenho da administração central da UFMS na resolução do problema. A Reitora Célia Maria Oliveira atuou pessoalmente para que todo o processo fosse resolvido da melhor maneira possível, fazendo gestões principalmente no Ministério da Educação, se colocando sempre no apoio ao movimento por considerar uma falha inaceitável o atraso nos pagamentos.

Além de receber a coordenação do SISTA e o comando de greve sempre que necessário, a reitoria da UFMS também liberou documentos com informações importantes para a categoria. A postura adotada pela Reitora, Profª Drª Célia Maria foi bem diferente da adotada pela direção do HU.





Deputado eleito Dagoberto Nogueira se empenha na solução da greve

O Comando de Greve do HU juntamente com uma comitiva de mais de 40 grevistas, estiverem reunidos na manhã de quinta-feira (16) no gabinete do Deputado Federal eleito Dagoberto Nogueira (PDT). No encontro, contamos com a presença de Maika Amaral, esposa e representante do senador Delcídio do Amaral (PT). O encontro foi articulado por Silvio Resende, trabalhador da UFMS e ligado ao gabinete de Dagoberto.

Os trabalhadores entregaram um documento ao parlamentar comunicando sobre a greve e os motivos que levaram a sua deflagração. Ao receber às reivindicações dos trabalhadores, o deputado e a esposa do senador se prontificaram em trabalhar para a solução do problema e informaram que a ministra Ideli Salvatti, de Relações Institucionais do governo federal, estaria em Campo Grande a partir das dezesseis horas desta quinta (16). Em meio à reunião, Maika Amaral ligou para a assessoria da ministra e obteve a garantia de que ela receberia os trabalhadores do HU.

Além de intermediar o encontro da categoria com a ministra, Dagoberto continuou a manter contatos com Ideli Salvati e com o ministro da Educação. Na manhã do dia 17 quando a reitora Célia Oliveira apresentou a planilha para pagamento dos plantões, o deputado eleito também estava presente na Sala de Atos da Reitoria, explicando aos trabalhadores do esforço do governo federal em resolver o problema.

Ainda na sexta-feira, só que desta vez à noite, Dagoberto Nogueira e Maika Amaral mantiveram encontro com o comando de greve, para ver se o impasse tinha chegado ao fim. Os trabalhadores informaram que ainda não tinham conhecimento sobre a ação prática do governo para com o pagamento dos plantões, pois os valores ainda não tinham sido publicados.






terça-feira, 14 de outubro de 2014

Greve dos Trabalhadores do HU vai às ruas e ganha visibilidade externa

Uma caravana de trabalhadores em greve do HU foi para o centro de Campo Grande na manhã desta terça-feira (14). Com panfletos, faixas e cartazes, a categoria apareceu para o público externo, comunicando do movimento paredista e pedindo apoio e solidariedade para a causa, que é o pagamento dos plantões trabalhados de janeiro a março deste ano.

Na atividade desta terça-feira, o SISTA/MS disponibilizou um ônibus para o deslocamento dos trabalhadores até o centro da cidade e também acionou os veículos de comunicação comunicando do ato. A manifestação dos grevistas aconteceu na avenida Afonso Pena, no cruzamento com a rua 14 de Julho.

O Comando de Greve avaliou a atividade como positiva, pois chamou a atenção da população e, ao mesmo tempo, sensibilizou as pessoas para o que está acontecendo. Durante a manifestação, aconteceram declarações e gestos de apoio ao movimento, fatos que motivam a luta dos trabalhadores.

Outro fato destacado pelo Comando de Greve foi a presença de profissionais de vários veículos de comunicação na cobertura do evento, tanto da mídia eletrônica quanto impressa.

Nesta quarta-feira, dia 15, a greve do HU completa um mês e os trabalhadores decidiram fazer uma caminhada pelos demais departamentos da UFMS, para explicar o motivo da paralisação e pedir apoio para os companheiros de trabalho.






segunda-feira, 13 de outubro de 2014

Greve do HU e Outubro Rosa estampam outdoors

A greve dos trabalhadores do Hospital Universitário e a campanha do Outubro Rosa ganharam as ruas ao entorno da Cidade Universitária da UFMS em Campo Grande. A Coordenação Estadual do SISTA contratou dois outdoors que estampam estas duas ações do sindicato.

A placa que espelha a greve do HU está postada na rotatória da rua que dá acesso ao hospital, enfocando o motivo da paralisação dos trabalhadores, que exigem o pagamento dos plantões trabalhados nos meses de janeiro, fevereiro e março deste ano.

Já o outdoor  da campanha sobre o Outubro Rosa está na rua Costa e Silva, em frente do semáforo da saída do  shopping da UFMS (próximo ao Atacadão). Nesta placa o SISTA anuncia sua participação na campanha contra o câncer de mama, enfocando que a prevenção e o diagnóstico precoce é o melhor caminho para o combate e a cura da doença.