23
jun
2017
1

IX CONISISTA termina neste dia 23 com discussão do estatuto

Vista da mesa e plenária no II CONSISTA durante votação na manhã desse dia 23

Vista da mesa e plenária no II CONSISTA durante votação na manhã desse dia 23

consista1A nona edição do Congresso do SISTA/MS (IX CONSISTA) será encerrada com a discussão da reforma de seu estatuto.

Foram três dias de intensos debates em torno da carreira e de como encaminhar as lutas do sindicato para os próximos três anos.

O IX CONSISTA foi realizado  de 21 a 23 de junho com a participação de delegados/as e observadores eleitos/as em seus locais de trabalho na capital e no interior. O local do evento foi o salão de convencões do Hotel Concord, em Campo Grande.

22
jun
2017
1

Congresso referenda prestação de contas do SISTA/MS

Momento em que os delegados congresso referendavam a aprovação das contas do SISTA/MS

Momento em que os delegados do congresso referendavam a aprovação das contas do SISTA/MS

presta1Os delegados/as do IX CONSISTA referendaram a aprovação das contas do SISTA/MS, durante plenária na tarde deste dia 22 de junho. A aprovação da movimentação financeira do sindicato compreende desde o mês de fevereiro de 2.014 até o mês de dezembro de 2016.guga

As receitas e despesas do sindicato foram apresentadas por Gustavo de Souza Ferreira (Guga), da secretaria de Administração e Finanças do SISTA/MS. É importante ressaltar que as contas já haviam sido aprovadas em assembléia, convocada especificamente para esse fim, no dia 19 de junho, tendo como local o Complexo Multiuso da UFMS.

Na assembléia, as contas foram aprovadas por unanimidade dos presentes, enquanto no congresso tiveram dois votos contrários e uma abstenção.

22
jun
2017
1

Plano de lutas é a mobilização

plenaria6A plenária do IX CONSISTA aprovou na tarde desta quinta-feira (22) o plano de lutas do SISTA/MS para os próximos anos. O resumo das propostas apresentadas pelos delegados/as consiste no aprimoramento da mobilização da categoria para o enfrentamento das demandas.plenaria5

A aprovação do plano de lutas foi de forma unânime e não teve debates em torno das propostas apresentadas. Entre as dezenas de propostas, existe uma que propõe que sindicato apresente um pedido de impedimento do atual presidente da República.plenaria7

 

22
jun
2017
1

“A questão econômica não pode sobrepor a luta pela carreira”

Fátima Reis, da Fasubra, no Congresso do SISTA/MS

Fátima Reis, da Fasubra, no Congresso do SISTA/MS

Fátima Reis, da Universidade Federal de Goiás e da direção da Fasubra, participou na manhã desta quinta-feira (22) das atividades do IX CONSISTA. Ela abordou o tema “PCCTAE no cenário político atual” e fez um alerta para a categoria, que é priorizar a luta pela carreira e não somente as questões econômicas.

Segundo Fátima, as conquistas em função das greves estão embutidas em forma de benefícios e não no salário-base, o que pode causar grande impacto principalmente na hora da aposentadoria. Conforme a sindicalista, as ações devem se concentrar na defesa da carreira, no redimensionamento e na racionalização dos cargos para a garantia de progressão funcional e salarial.

Atenção da plenária do congresso na palestra sobre a carreira

Atenção da plenária do congresso na palestra sobre a carreira

plenaria4

Ela também avaliou o avanço da terceirização e  necessidade de luta comum com estes trabalhadores/as, mesmo porque estão mesmo ambiente de trabalho. “A tendência são dos técnicos ficarem estagnados em termos numéricos,  já que a contratação de terceirizados está numa velocidade bem maior que a admissão por concurso”, diz Fátima, acrescentando que a realidade nos hospitais universitários, por exemplo, os terceirizados já retrata esta realidade.

22
jun
2017
1

Terceirização é condenada no Congresso do SISTA/MS

Mesa da terceirização no congresso

Mesa da terceirização no congresso

A precarização da mão-de-obra por meio da terceirização foi duramente criticada durante o IX Consista (Congresso do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFMS). O assunto foi abordado por Élvio Vargas, do Sindicato dos Eletricitários de MS (Sinergia).

Segundo o sindicalista, além de não garantir os mesmos direitos ao trabalhador, a terceirização também acaba causando a morte de pessoas, com a falta das condições de segurança. “Além de ganhar menos e sem as mesmas garantias, o companheiro terceirizado ainda corre outros riscos, inclusive de morte”, analisa Elvio.

No serviço público a terceirização ainda causa outro mal, que é o desvio de recursos, pois são destinados recursos e eles não chegam em forma de remuneração digna aos trabalhadores. Um exemplo na UFMS é o pessoal terceirizado na limpeza e segurança.

Técnicosmarcio2

Márcio Saravi, da coordenação geral do SISTA/MS, observou que a implantação da Ebserh no HU também uma forma de terceirização dentro da universidade e que ela pode chegar aos demais técnicos. Segundo ele, existem rumores da criação de uma empresa nos moldes da Ebserh para as demais áreas da educação. “O que os companheiros do HU estão passando hoje, os demais podem estar na mesma situação amanhã. É hora de união contra estas ameaças”, enfatizou.

22
jun
2017
1

FASUBRA convoca a categoria para a Greve Geral no dia 30 de junho

 Para barrar as contrarreformas da previdência, trabalhista e terceirização

A FASUBRA Sindical reforça a importância de participação das entidades de base na construção da Greve Geral, no dia 30 de junho, convocada pelas centrais sindicais. Trabalhadores de todas as categorias ocuparão as ruas em protesto e resistência contra as reformas do governo Temer.

A Federação orienta a todos os sindicatos filiados a construção por meio dos comitês estaduais contra as reformas, paralisando todas as instituições federais de ensino, participando das manifestações de rua nesta data.

O governo de Michel Temer tem sofrido derrotas constantes, dentre as quais, a rejeição do relatório da Reforma Trabalhista (PLC 38/17) pela Comissão de Assuntos Sociais (CAS) do Senado Federal. Porém, devemos intensificar as mobilizações nas ruas, para derrotar a proposta no plenário.

A FASUBRA destaca o sucesso da Marcha #OcupaBrasília, realizada no dia 24 de maio, em que cerca de 120 mil pessoas de todo o país em resistência, ocuparam a Esplanada dos Ministérios contra as reformas do governo Temer. A força demonstrada nas ruas resultou em forte repressão da polícia militar e convocação das Forças Armadas por Temer, revelando a fragilidade desse governo ilegítimo com baixa popularidade de apenas 5%.

A FASUBRA orienta a realização de atividades nos aeroportos e nos estados, para pressionar deputados e senadores a votarem contra as reformas da Previdência e Trabalhistas, que tramitam no Congresso Nacional.

Precisamos de todos e todas para barrar os ataques!

Nenhum direito a menos!

GREVE GERAL 30/06, Já!

Direção Nacional FASUBRA Sindical

22
jun
2017
1

IX CONSISTA: Em congresso, centrais sindicais convocam para greve geral no dia 30

Paralisar as atividades no dia 30 de junho e ir para rua manifestar a indignação contras a onda de massacre contra a classe trabalhadora e o povo brasileiro. Esta foi o recado dado pelos representantes das centrais sindicais presentes ao IX Consista, que está sendo realizado no Hotel Concord, em Campo Grande.

Representantes das centrais sindicais na mesa do IX Consista

Representantes das centrais sindicais na mesa do IX Consista

centrais1

Na tarde de quarta-feira (21), Ricardo Martinez e Genilson Duarte, representantes da CTB (Central dos Trabalhadores/as do Brasil) e da CUT (Central Única dos Trabalhadores), respectivamente, convocaram todos para resistir aos ataques contra a classe trabalhadora.

Para os representantes das centrais sindicais, a única forma de conter a avalanche de malefícios atualmente em votação no Congresso Nacional é por meio da pressão popular. “Temos que mostrar para quem está votando contra o trabalhador hoje que ele/a vai precisar de voto no ano que vem , ano de eleições”, observaram os sindicalistas.

PARALISAÇÃO NA UFMS

Reunidos em assembléia na concha acústica no dia 14 de junho, os trabalhadores decidiram pela adesão a greve geral. Além da paralisação, ficou definido também que o SISTA/MS vai articular junto aos demais movimentos para realização de ato público conjunto, tanto na capital como interior.

 

21
jun
2017
1

Plenária aprova regimento interno e inicia congresso

Plenária do IX Conista vota para aprovar regimento do congresso

Plenária do IX Conista vota para aprovar regimento do congresso

A primeira ação oficial dos/as delegados/as ao IX CONSISTA foi a aprovação do seu regimento interno. A aprovação do regimento ocorreu no final da manhã , depois da mesa de debates na abertura do congresso.mesaA mesa que conduziu os trabalhos para aprovação do regimento foi formada por Itacil dos Santos, Michael Ferreira, Márcio Saravi e Valdecy Oliveira.

PREVIDÊNCIA SOCIAL

Jaime (em pé) condena a Reforma da Previdência e seus males para os trabalhadores

Jaime (em pé) condena a Reforma da Previdência e seus males para os trabalhadores

No período da tarde, Jaime Teixeira (Presidente eleito da Fetems), discorreu sobre a nefasta reforma da Previdência Social, que está em curso no Congresso Nacional, patrocinada pelo atual governo. Jaime disse que somente a mobilização permanente dos trabalhadores vai conseguir barrar esta e os demais ataques contra a classe trabalhadora. A mesa foi coordenada por Geraldo Gonçalves Rodrigues e Mara Silvia de Araújo.

21
jun
2017
1

Aberto oficialmente o IX CONSISTA

Credenciamento de delegados/as ao congresso

Credenciamento de delegados/as ao congresso

Foi aberto oficialmente na manhã desta quarta-feira (21), a nona edição do Congresso do Sindicato dos Trabalhadores em Educação da UFMS (IX CONSISTA). O evento está sendo realizado no centro de convenções do Hotel Concord e conta com a participação de delegados eleitos em seus locais de trabalho na capital e no interior.

Vista parcial da plenária do IX Conista

Vista parcial da plenária do IX Conista

plenaria1

O IX Consista foi aberto com a discussão da conjuntura política e sindical, com a mesa sendo composta pelo suplente de deputado federal Antonio Biffi e de dois representantes da Fasubra Sindical: José Maria Castro, e Mário Guimarães Junior. O mediador foi Márcio Saravi de Lima, da comissão organizadora do congresso e da coordenação  geral do SISTA/MS.

Lucivaldo Santos e Márcio Saravi, da comissão organizadora, abrem o evento

Lucivaldo Santos(acima) e Márcio Saravi, da comissão organizadora, abrem o evento

marcio1

Mário condenou o atual governo branco golpista, racista, homofóbico e sem a representação das mulheres. “Este governo representa apenas do capital, os interesses empresariais, principalmente do capital estrangeiro que muitas vezes nem produz”, observou Mário.

Mário Guimarães diz que governo Temes é racista , homofóbico e contra os trabalhadores

Mário Guimarães diz que governo Temes é racista , homofóbico e contra os trabalhadores

A mudança, segundo ele, passa pela consciência e pelo voto dos trabalhadores nos representantes de sua classe. “O que está aí é um pacto entre as elites, contra os trabalhadores”, enfatizou.

Zé Maria alerta para a fabricação de "salvadores de pátria" em tempos de crise e corrupção

Zé Maria alerta para a fabricação de “salvadores de pátria” em tempos de crise e corrupção

José Maria, também da Fasubra, fez uma análise do movimento político e sindical desde a década de 1.950. De acordo com ele, em todos os momentos de crise e corrupção, setores conservadores sempre fabricaram “salvadores da pátria”, que maquiaram ou venderam ainda mais a soberania nacional e mantiveram 0 massacre contra a classe trabalhadora. “A luta contra a corrupção teve saber separar quem é realmente comprometido com o trabalhador e de quem é lobo em pele de cordeiro”, alertou Zé Maria.

Força do trabalho tem que ter força política no Congresso para ter vitórias aos trabalhadores, diz Biffi

Força do trabalho tem que ter força política no Congresso para ter vitórias aos trabalhadores, diz Biffi

Já Antonio Carlos Biffi discorreu sobre a falta de representatividade da classe trabalhadora no Congresso Nacional. Segundo ele, dos 513 deputados federais, apenas em torno de 120 representam os trabalhadores. “Usaram uma tal de pedalada fiscal para retirar os trabalhadores do poder, representados pela presidência da República, porque nós não temos a representação necessária no Congresso”, disse.  Biffi foi taxativo ao afirmar que a força do trabalho precisa ter força política, caso contrário as ameaças e ataques continuaram a acontecer, com o aval do Congresso.