Sista-MS orienta eleitores sobre o poder do voto para melhorar o país

Nesse período de campanha política o Sista-MS (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Fundação Universidade Federal de Mato Grosso do Sul e Institutos Federais de Ensino de MS) tem intensificado também uma campanha na capital e interior o Estado sobre a importância do voto de cada eleitor no processo de escolha de candidatos que realmente podem contribuir com o desenvolvimento do Estado do país.

“Acreditamos que é dever não só de cada cidadão, mas também de toda sociedade organizada de trabalhar junto à opinião pública para que ela se aperfeiçoe cada vez mais no processo de escolha dos nossos representantes políticos. Precisamos tirar desse meio todos aqueles que já demonstraram incompetência ou pior, que se envolveram em ilicitudes, e só podemos fazer isso por intermédio do voto”, explica Waldevino Basílio, coordenador geral do Sista-MS.

A entidade tem orientado seus associados e a comunidade em geral, sobre a importância de um processo eleitoral como esse em que elegeremos deputados estaduais e federais, governadores, senadores e presidente da república. “As pessoas precisam se conscientizar do poder de seu voto no processo de escolha daqueles que irão nos governar. Não podemos vender votos em troca de favores ou de qualquer outro benefício pessoal. Temos que votar consciente de que estamos procurando escolher os melhores. Só assim evoluiremos como estado, como Nação”, afirma a coordenadora de Comunicação do Sista-MS Diana Passos.

Waldivino Basílio vai mais longe, diz que os eleitores devem pesquisar, ouvir atentamente as propostas dos candidatos e até questioná-los, sempre que possível, sobre questões de interesse geral como saúde, educação, segurança pública, infraestrutura, emprego e renda. “Precisamos escolher pessoas fichas limpas e com experiência comprovada na luta em benefício da coletividade”, afirma.

O Sista-MS tem lutado e empunhado bandeiras contra projetos em tramitação no Congresso Nacional que vão em desencontro com os interesses da maioria (quase absoluta) do povo brasileiro. Como o projeto da reforma da Previdência, que da forma como está apresentado, só prejudica os trabalhadores “assalariados”. Deixa ileso os “marajás” da previdência.

Lutou contra a aprovação da Reforma Trabalhista, que só tirou direitos adquiridos pelos trabalhadores e beneficiando exclusivamente a classe patronal brasileira, precarizando o trabalho e desvalorizando bastante a mão de obra dos profissionais em todas as áreas.

A falta de parlamentares comprometidos com os trabalhadores resultou também na aprovação da terceirização irrestrita, em todos os níveis e esferas (público e privado), institucionalizando a figura do atravessador no mercado de trabalho. São incontáveis prejuízos aos trabalhadores tanto a terceirização como a reforma trabalhista. Só a classe patronal ganhou. Por isso é necessário eleger parlamentares comprometidos de fato com a classe trabalhadora, insiste a coordenadora Diana Passos.

Tem lutado também contra outras iniciativas públicas e privadas que vão em desencontro com os interesses as classes que representa ou da própria sociedade. Exemplo disso foi sua participação e manifestação pública no dia 10 de agosto deste ano, Dia do Basta! movimento nacional de repúdio contra o desemprego, o elevado custo de vida e outras mazelas que estão ocorrendo no Brasil.

“Precisamos eleger pessoas que estão, de fato, do lado do povo e não aqueles que se dizem a favor do trabalhador, mas que já deram inúmeras provas de que isso não é verdade. Precisamos evoluir nas urnas. Não podemos mais continuar errando”, afirma  Waldevino Basílio, coordenador geral do Sista-MS.

 

Deixe uma resposta